Como escolher a melhor forma pagamento virtual? Saiba qual combina com seu e-commerce

Com o e-commerce cada vez mais consolidado como ferramenta de venda no ambiente online, saber o método correto de pagamento é tão importante quanto a escolha do layout ou produto oferecido na sua loja virtual. E nós vamos te provar isto!

Para tomar a decisão correta, o lojista precisa buscar um equilíbrio entre as melhores soluções para os clientes e o impacto financeiro gerado ao adotar cada uma dessas plataformas. 

Mas, como?

O ideal é conhecer em detalhes o perfil do seu cliente. Também é importante fazer uma previsão de fluxo de caixa, pois nem sempre o repasse dos recursos para a conta da loja é imediato.

Agora, que você se ambientou com o conceito, vamos listar algumas dicas para que sua opção seja a melhor possível. 

Apesar de ambas ferramentas operarem com todos os meio de pagamento em um único sistema, antes de realizar qualquer escolha neste contexto, é preciso entender os prós e contras e as diferenças entre intermediadores e gateways.

O que são gateways?

O gateway é um sistema de pagamento, que faz a ligação direta entre a loja virtual e a organização financeira responsável pela cobrança, proporcionando um contato prático com as operadoras de bancos e cartões.

Além de permitir, que o cliente escolha a forma deseja realizar o pagamento (boleto, cartão de crédito, débito em conta, etc) e os sistemas transferem o valor pago para a conta do lojista. Assim, como o intermediador.

O que são intermediadores?

Já o intermediador, como pagamento,  trabalha coletando os dados do seu cliente e liquidando as transações, sem a necessidade das lojas se filiarem a operadoras de cartão ou bancos.

Em outras palavras, ao realizar uma compra quem recebe o pagamento é o intermediador. 

O sistema fica responsável pela aprovação e pelo repasse do valor da venda à loja virtual. Algumas empresas que oferecem esse serviço são: Pagseguro, Mercado Pago, Picpay, Ebanx e Paypal.

Afinal, qual é a melhor forma de pagamento para e-commerce?

PagSeguro

Uma ferramenta de pagamentos oferecido pelo UOL que simplifica as ações comerciais dentro e fora da internet. Hoje a plataforma chegou a 25 milhões de usuários no país devido ao seu conforto e segurança. Um aplicativo de boa acessibilidade e com ampla integração com as mais variadas as plataformas e e-commerces.

Picpay

Um aplicativo fintech desenvolvido no Brasil para promover uma experiencia sem burocracia entre você e o seu dinheiro. O Pic Pay permite transações com QR Code ou com aplicativo.

Ebanx

O EBANX é uma empresa que oferece métodos de pagamentos locais para sites internacionais e nacionais, ou seja, sua plataforma possibilita que brasileiros paguem suas contas utilizando o real. Hoje, empresas como Spotify, Ali Express, Air Bnb, Sony Playstation e Wish utilizam os serviços.

Tarifas

Ah, é claro que não poderíamos desconsiderar o valor das tarifas, pois cada serviço tem um custo para o lojista e estas despesas operacionais devem ser levadas em conta no seu planejamento.

Os gateways ou intermediadores de pagamento exigem uma cobrança fixa de aproximadamente R$0,65 por cada transação efetuada mais uma taxa sobre o valor do pagamento, que pode chegar a até 5% de cada operação.

Muito inferior se comparado ao cartão de crédito, onde se paga uma mensalidade em torno de R$ 100,00 acrescida de uma taxa média de 4% sobre o valor da fatura (o percentual varia de acordo com as operadoras de cartões).

Agora que você tem o entendimento da amplitude e das particularidades dos principais métodos de pagamento ficou mais fácil analisar qual será mais positiva.

Melhore as vendas e a saúde financeira do seu negócio com as nossas dicas.

Webinar: Site não é produto, é projeto.

Seguindo o ciclo de palestras online do Rotary Club de Itatiba, o nosso CEO da Yala Agency, Rafael Cintra palestrará sobre o tema “Site não é produto, é projeto” no próximo dia 27 de agosto, às 20h. 

O webinario abordará como deve ser a percepção de um Comércio Digital e suas estratégias.

As palestras vêm ocorrendo desde o início do mês com objetivo de incentivar o uso das mídias sociais para impulsionar sua marca e melhorar o desempenho das vendas, ainda mais neste período de quarentena.

“Nesse tempo difícil que estamos passando, o melhor é que todos nós saibamos muito bem o potencial de nossa cidade e assim todos podem dar prioridade nas compras em produtos e serviços de nossa gente, ajudando uns aos outros como uma forma saudável e solidária de vencermos as dificuldades e limitações dos negócios”, ressaltou o vice-presidente, Richard Kraus.

Conheça o palestrante

Rafael Cintra é formado em Sistemas de Informação pela PUC-Campinas, especialista em Gestão de Projetos.

Trabalhou com portais de alto volume de tráfego, como a Infomoney e o Motonline. Atuou com otimização de SEO, estratégias de geração de tráfego, leads e conversão, otimização de performance de sistemas e serviços.

Arte do webinario

Inscrições

A inscrição é gratuita, portanto, para participar basta enviar uma mensagem no Whatsapp (11) 99974-7144 e aguardar o link para a sala do Google Meetings.


WEBINAR – Site não é produto, é projeto

27 de agosto de 2020, Google Meetings, às 20h00.


Como criar uma conta e um projeto compartilhado no Google Cloud?

Nesse artigo aprenderemos a criar uma conta e um projeto compartilhado no Google Cloud.

Sobre o Google Cloud

Já ouviu falar do Google Cloud Platform (GCP)?

O Google Cloud Platform é uma plataforma que reúne diversos serviços do Google para computação em nuvem. Com ele é possível hospedar websites e e-commerces, aplicações, configurar servidores, ter centrais de armazenamento estático, dentre outras centenas de produtos e serviços. Com o propósito de aumentar a quantia de usuários em sua plataforma, o Google oferece gratuitamente o valor de US$ 300,00 (algo em torno de R$1500,00 com o dólar na faixa de R$5,00) para testar qualquer recurso no GCP pelo período de 90 dias.

Usar o GCP nos dá diversas vantagens em questões de segurança digital, levando em consideração toda a estrutura que podemos construir dentro da plataforma.

Para começarmos…

Requisitos

Para criar uma conta no Google Cloud é necessário ter uma conta Google válida e um endereço de e-mail.

Primeira Etapa: Criando a conta e configurando

Acesse o o site do Google Cloud Platform e clique no botão “Comece a usar gratuitamente” na barra superior direita.

Imagem ilustrando a página inicial do site do Google Cloud Platform.
1. Home do Google Cloud

Após clicar, o Google solicitará que você faça login com a sua conta. Entre com a conta desejada

Em seguida, será necessário informar o seu país, aceitar os termos de serviço e preencher todos os campos solicitados. É necessário cadastrar um cartão de crédito, mas não se preocupe, todo valor consumido será inicialmente debitado dos U$$300,00 =)

Campos de preenchimento para cadastro no Google Cloud.
Processo de cadastro do Google Cloud

Segunda etapa: Criando um projeto

Para criar um projeto, devemos acessar a aba do gerenciador de projetos, conforme ilustra a imagem abaixo…

Acessando o campo para criar um projeto
Acessando o campo para criar um projeto

…e selecionar a opção Novo Projeto.

Criando um projeto
Criando um projeto

O projeto deve conter um nome explicativo e um ID.
Por questões de organização, o ID deve ter o mesmo nome do projeto, usando um traço ao invés de espaço. Exemplo: meu-projeto (note que não usamos números e nem letras maiúsculas).

Nomeando o Projeto

Após criar, você será redirecionado para a página inicial do GCP.

Como compartilhar um projeto com outros usuários?

Para compartilhar um projeto com uma determinada conta ou pessoa, você deve primeiramente acessar o seu projeto por meio da aba superior do console e selecionar a opção “Adicionar pessoas ao projeto“.

Selecionando o projeto
Adicionando pessoas ao projeto

Por fim, devemos acrescentar o endereço de e-mail da conta Google referente à pessoa que desejamos compartilhar o projeto e definir as permissões de acesso da mesma. Temos diversos tipos de permissões, cada uma referente à diferentes níveis de acesso.

Se você estiver compartilhando o projeto com o administrador de seus sistemas, você pode colocá-lo como proprietário do projeto, levando em consideração a quantia de permissões que ele irá precisar para gerenciar os serviços na Google Cloud Platform.

O Google Cloud permite que façamos uso de diferentes permissões tipos de acesso aos usuários
O Google Cloud permite que façamos uso de diferentes permissões tipos de acesso aos usuários

Agora você já sabe como criar sua conta e seu projeto compartilhado. Não se esqueça de ler a documentação oficial do Google Cloud para obter um melhor proveito em seus projetos =)

Gostou do artigo? Inscreva-se em nossa mailing-list para receber mais conteúdos iguais a este.

WordPress e Software Livre: uso no desenvolvimento de websites

36% da internet usa WordPress. Para muitos, essa afirmação pode soar irrelevante, mas fazendo uma análise com bons olhos, podemos encontrar um ponto extremamente presente e importante no funcionamento da internet: O uso de software livre por um grande número de desenvolvedores de websites.

Software livre é o software que dá liberdade ao usuário para executar, acessar e modificar o código-fonte, permitindo adaptá-lo às suas necessidades e redistribuir cópias. Eles não tem custo algum e são distribuídos livremente pela internet.

Mas e o WordPress?

O WordPress é uma plataforma de código-aberto criada em 2003 originalmente com o intuito de ser usada como plataforma de blogs. Com o passar do tempo, essa plataforma criou sua base em um conceito: Blocos.

Esses blocos são pequenos trechos de código que conversam entre si, e, quando ligados possibilitam a criação de uma estrutura completa de um website. Por isso, o desenvolvedor tem total acesso e permissão para editar o código fonte do WordPress, podendo adaptá-lo à quaisquer necessidades que possam surgir. Com essa facilidade, muitos desenvolvedores passaram a adotá-lo como estrutura para desenvolver o seu projeto.

Comunidade Presente

O WordPress conta com uma comunidade extremamente forte composta por usuários e desenvolvedores. Muitos desenvolvedores criam os seus próprios plugins (adicionais customizados com diversas finalidades) e os disponibilizam para uso gratuito.
Os plugins quase sempre vem acompanhados de uma boa documentação para instruir qualquer tipo de usuário e não haver impedimentos no uso. Por causa disso, nós, desenvolvedores, costumamos brincar que dentro do WordPress tudo é possível, e o que não for, uma solução será encontrada.

Página oficial de Plugins da comunidade WordPress.

Atualizações Constantes

O WordPress está em constante desenvolvimento, sempre buscando melhorar a experiência de seus usuários e desenvolvedores, trazer melhorias ao sistema, aumentar sua segurança e corrigir eventuais falhas no código, evitando problemas a longo prazo. Essas atualizações também acompanham as tendências da internet. É de grande relevância para o desenvolvedor ter um sistema seguro, atualizado e que siga os padrões internacionais da internet.

O wordpress está em constante atualização e desenvolvimento. No total, tivemos 438 versões.
Dados referentes às atualizações do WordPress. Fonte: https://codex.wordpress.org/WordPress_Versions acesso em: 08/06/20

É possível fazer um e-commerce usando WordPress?

Sim, é totalmente possível. A Automattic, empresa que cuida do WordPress, também é desenvolvedora de um plugin muito usado pelos desenvolvedores chamado Woocommerce (também de código aberto). Com ele, é possível criar a sua loja virtual com poucos cliques e algumas configurações.
O Woocommerce oferece de maneira segura uma estrutura completa para lojas, como a gestão de produtos e vendas, métodos de pagamento, meios de entrega e cadastros de clientes. E o melhor: pelo custo de R$ 0,00.

Enquanto muitas plataformas de código fechado prometem soluções maravilhosas (e deixam a desejar) para melhorar suas vendas, o Woocommerce supre todas as necessidades de seu e-commerce. Além de vir com todas as funcionalidades de uma loja, ele permite que o desenvolvedor altere o código fonte. Por isso possibilita o desenvolvimento de diversas ferramentas novas para solucionar eventuais necessidades do lojista.

Em um resumo, existem diversas vantagens em utilizar software livre em seu site, pois além de economizar dinheiro, permite que seu desenvolvedor crie as melhores soluções e encontre caminhos para realizar todas as suas ideias =)

Gostou do artigo? Inscreva-se em nossa mailing-list para receber mais conteúdos iguais a este.

Tendências para o Webdesign em 2020

Atualmente, a grande maioria das pessoas que integram o mundo da comunicação, internet e tecnologia sabe que pensar com Design nunca foi pensar com estética. Pensar com design é chegar a um equilíbrio entre o bonito, o prático e o funcional.

Como já dizia Steve Jobs,

Design não é apenas o que parece e o que se sente. Design é como funciona.

A internet e suas tendências

Há 25 anos que a internet vem revolucionando a vida de todos e transformando hábitos e maneiras de se comunicar. Temos redes sociais, lojas virtuais, plataformas de vídeo e muitas outras ferramentas à disposição.

Não à toa a internet ganhou da ONU (Organização das Nações Unidas) o Dia Mundial da Internet comemorado em 17 de maio. Esse marco foi estabelecido a fim de promover ainda mais a inclusão digital no mundo.

Hoje, nós, enquanto usuários da internet, procuramos cada vez mais por soluções rápidas e práticas. Em linhas gerais, buscamos a facilidade.

Mas, afinal, quais as tendências de 2020 para o webdesign?

O ano de 2020 trouxe, principalmente, simplicidade.

As tendências em webdesign para este ano baseiam-se numa aparência clean, com elementos minimalistas e poucas informações visuais. Confira a lista que desenvolvemos, dividida entre funcionalidade e estética.

Funcionalidade

1. Menos é mais

Com certeza você já ouviu por aí essa expressão… E ela faz total sentido para o mundo web.
Sites com menos elementos carregam muito mais rápido. Assim, o usuário se sente confortável e satisfeito com a navegação, principalmente pelo grande número de pessoas que utilizam a internet pelo celular: são mais de 154 milhões de chips 4G em operação no Brasil.

Para saber se seu site está carregando rápido, basta acessar a ferramenta Think with Google. Ela calcula o tempo que seu site leva para carregar baseado em uma conexão 4G, classificando a velocidade como rápida, na média ou lenta.

2. Mobile first

Mobile first é um conceito aplicado no desenvolvimento de sites e projetos da web elaborado por Luke Wroblewski em 2009. Em 2010, o desenvolvedor transformou sua ideia em um livro homônimo, Mobile First (da editora A Book Appart).

Inicialmente pensada para dispositivos móveis, a arquitetura dos websites é posteriormente aplicada em desktops. A técnica tem se popularizado cada vez mais, afinal, desde 2010 o número de usuários de dispositivos móveis só tem crescido.

3. One page e transições na vertical

Seguindo a premissa do mobile first, outra tendência são os sites one page. Neles, as transições verticais podem ser muito bem aplicadas: o movimento de “rolar” o site para cima ou para baixo gera familiaridade e aprimora a usabilidade tanto nos dispositivos desktop quanto mobile. Isso acontece porque o usuário se sente mais confortável com o fato de não ter que sair de onde está para acessar uma informação, além de não ter que esperar o carregamento de uma nova página.

Visual

1. Textos e elementos excessivamente grandes

Discrição definitivamente não é uma das tendências de 2020.

Sites com letras garrafais e elementos isolados, em tamanho grande, estão sendo muito utilizados. Principalmente quando aplicados em fundos claros ou apresentados de forma clean.

Além da fácil leitura, atraem o olhar do usuário e comunicam de maneira rápida o assunto a ser abordado.

Muitos textos apresentam também o uso de serifas nas fontes. Muitos já ouviram falar que as fontes com serifa são adequadas para impressão e, as sem serifa, para tela digital… mas isso está mudando.

Isso pode ser observado na imagem abaixo, onde temos um slider da homepage do Mailchimp (plataforma de e-mail marketing muito popular), que é conhecido por um visual limpo e confortável.

2. Ilustrações e animações simples

Antigamente, era muito comum encontrar sites com fotos estouradas no banner principal, texturas de fundo, manipulações gráficas e outros elementos bastante exagerados.

Agora a tendência é a simplicidade, então animações e ilustrações minimalistas se tornaram elementos visuais para apoiar a mensagem que está sendo passada e, consequentemente, criam uma identidade para a marca.

Além de deixar o site mais dinâmico, animações inseridas no momento certo podem ser decisivas para orientar o usuário a tomar a ação desejada.

3. Formas naturais e orgânicas

Simetria não será o forte nos elementos visuais de 2020.

As ilustrações minimalistas são acompanhadas por formas orgânicas e suaves.

Página de destino da reserva de compromisso Vetor grátis

4. Paletas em P&B e tons pasteis

Não poderíamos nos esquecer das cores… ou da ausência delas. ?

Já foi comprovado que fundos claros para sites causam mais conforto visual para os usuários. Por isso, tons claros estão sendo cada vez mais utilizados nos websites de hoje em dia.

O uso de preto e branco e cores sólidas, não tão vibrantes, tem sido cada vez mais aplicado, gerando assim um contraste respeitavelmente bonito.

5. Muito espaço branco

No design, chamamos de espaço branco ou negativo a área em branco entre os diferentes elementos de design.

Atualmente, os sites apresentam menos informações visuais. Ou seja, o espaço branco está tomando conta. Usar um bom espaçamento faz qualquer página do site transmitir a sensação de equilíbrio.

Abaixo, um exemplo de uma seção presente na homepage do site da yala.agency:

Conclusão

2020 é um ano repleto de tendências que perdurarão. E todas elas se resumem a três objetivos: rapidez, boa estética e funcionalidade.

Os websites cada vez mais priorizarão informações relevantes. Por isso, é necessário acompanhar a preferência e experiência dos usuários.

Com muitos usuários de dispositivos móveis, a internet valorizará sites que não desperdiçam o tempo do usuário, destacando informações e elementos interessantes.

O ideal é equilibrar o uso excessivo uso do branco com fontes em tamanho maior do que o usual e ilustrações e efeitos minimalistas, eliminando todos os elementos desnecessários.

O ano de 2020 será eficiente, bonito e carismático. Afinal, as empresas estão estreitando os laços com seus clientes e seguidores por meio da internet, tornando tudo muito mais pessoal